As gerações que vem por aí … « Agile Way


25 de Julho de 2009

As gerações que vem por aí …

Geração Z - www.agileway.com.br

Todos aqui lembram do manifesto ágil, certo? Os quatro princípios? Pois então. Ele traduz a corrente (ágil) que propõe uma nova visão de “gestão” de empresa, pessoas e processos. Existem muitos outros e todos são bastante similares. Todos convergem para um ponto em comum: flexibilidade, gestão de pessoas e do conhecimento.

Você acha que isso não é importante? Então tenha a certeza que você não está preparado para o futuro. A geração Z está chegando.Muito se fala das gerações do século 20: Baby Boomers, Geração X, Geração Y, Geração Z. Essa separação de gerações foi realizada para buscar identificar particularidades e características próprias das pessoas que nasceram durante períodos de tempo. Por exemplo, os Baby Boomers são aqueles que nasceram no mundo pós-guerra. Geração X são (teoricamente) os filhos dos Baby Boomers, e assim por diante.

Através da caracterização dessas gerações foi possível identificar e entender o contexto em que elas se encontravam e o funcionamento da economia, sociedade e mercado de trabalho destas épocas. Não entrarei em detalhes maiores sobre cada geração, mas o foco desse tópico é analisar o mercado de trabalho.

Não é exagero falar que os Baby Boomers viveram uma época em que o trabalho basicamente se resumia em realizar tarefas. Pensar era algo para poucos. Era a época ideal para o chamado “comando-controle”, onde os chefes mandavam, os funcionários faziam. Tudo devidamente controlado. Não havia flexibilidade e o conhecimento era muito pouco valorizado.

A geração X viveu já um mundo mais complicado. O pós-guerra dos Baby Boomers trazia uma certa esperança de dias melhores. A geração X viveu o auge da Guerra Fria e isso, aliado à sociedade composta por Baby Boomers já não tão esperançosos, os tornaram realistas e pessimistas. Muitos consideram a geração X como a geração “perdida”. Porém, foi durante o período da geração X que surgiram movimentos como o “Toyota Way” e o conceito de “Liderança Situacional”. Portanto é preciso ter cuidado para não generalizar. Por outro lado, a geração X como um todo ainda vivia o auge do mercado onde flexibilidade e conhecimento não estavam em pauta. É a geração da “transição”, podemos chamar assim.

A geração Y, por outro lado, já foi criada em uma sociedade mais otimista e com sede de crescimento. Além disso, viveu intensamente o período do boom da era da tecnologia e da informação. E isso transformou de forma gigantesca o mercado de trabalho. As empresas agora podiam automatizar diversos processos. A informação começou a deixar de ser privilégio de poucos e secundária. Esta geração viveu a transição da maior revolução da sociedade moderna: a internet. Essa proximidade com a tecnologia e informação a tornou completamente diferente da sua predecessora. A geração Y passou a saber de tudo (mas sem profundidade), consegue trabalhar facilmente de forma multi-tarefa, suporta o trabalho sob pressão, é normalmente comunicativa, dentre outras características. Essa geração NÃO funciona no modo “comando e controle” e as empresas (tardiamente) começaram a se dar conta disso.

Conceitos como “gestão de competências”, “feedback”, “liderança 360 graus”, etc. se tornaram comuns. E isso tem explicação: a geração Y normalmente não tolera empresas que não mudaram sua cultura. Se a empresa ainda viver no modo “chefe manda, funcionário faz”, terá um turnover altíssimo com pessoas dessa geração. Essas pessoas exigem flexibilidade e são adeptas ao livre conhecimento, por assim dizer. E estará comprometendo o seu futuro, pois a geração X e os Baby Boomers deixarão de ser a força motriz das empresas em pouco tempo.

Agora vamos mais adiante. E a próxima geração? O que será da geração Z?

Imaginem as crianças de hoje que já nasceram em um mundo totalmente conectado à internet. Desde o jardim de infância, essas crianças já fizeram trabalhos usando computador e a internet. O conhecimento para elas está a alguns cliques. O rítmo e a velocidade com que elas conduzem suas vidas é pelo menos 2x maior do que o da geração Y (que já era veloz!). Será uma geração mais multi-tarefas do que nunca, com outro tipo de conhecimento e forma de pensar. O que será que essa geração demandará do mercado e das empresas?

Na minha opinião, essa geração será duplamente mais exigente do que a geração Y. E precisará ser moldada com muito cuidado, pois terão uma capacidade diferenciada para tomar decisões, pensar soluções e atuar sob pressão (lembrem-se que eles já sofrem pressões de prazos no colégio!). Por outro lado, isso poderá gerar um sentimento de auto-suficiência que deverá ser tratado com cuidado pelas empresas. Flexibilidade será prioridade número 1 da geração.

Alie isso a fatos prováveis como: redução do número da população jovem (a geração Z será proporcionalmente menor do que as anteriores), a constante necessidade da informação e do conhecimento por parte das empresas e o rítmo cada vez mais rápido do mercado. Temos um cenário bastante interessante e desafiador pela frente.

E daí você pode se perguntar: e o que nós temos a ver com isso?

Ora, nós da Geração Y seremos os responsáveis por liderar a geração Z! Será que nossas empresas estão preparadas para receber as primeiras pessoas desta geração? Será que NÓS estamos preparados para lidar com eles? Será que o que conhecemos hoje como gestão será suficiente?

Pense nisso. O futuro não está tão distante assim.

Um abraço!



8 Comentários para “As gerações que vem por aí …”

  1. Rodrigo diz:

    Também sou da geração Y. Gostei do alerta que o artigo traz:

    “Esteja preparado para mudanças”

    Abs

  2. Sou da geração Y e realmente vejo que muitas empresas ainda nem estão adaptadas para a geração Y, o que dirá da geração Z.
    Acredito que quando ocorrem estas viradas de geração é quando muitas empresas somem e outras surgem com modelos mais adaptados a nova realidade.

    Muito bom artigo.

    Abraço

  3. Hey Flavio,

    Parabens pelo texto!
    Uma reflexao muito interessante a ser feita e uma otima categorizacao das “geracoes X,Y,Z”.

    Um ponto que veio a minha mente enquanto lia o seu texto foi o fato de que atualmente ainda temos muitos “chefes” da geracao X liderando equipes e empresas da geracao Y. Isso ocorre, infelizmente, pelo fato de que “tempo de experiencia” ainda eh levado em consideracao na hora de colocar pessoas na lideranca… Raramente vemos pessoas mais jovens liderando pessoas mais velhas. O seu ponto de vista quebra este paradigma.

    Eh como se as empresas tivessem “pessoas legadas”, assim como sistemas legados, como um mainframe, que as impedem de andar mais rapido e serem mais competitivas. Acho que ainda ha tempo pra os chefes da geracao X evoluirem pra Y, assim como nos, da geracao Y, precisamos evoluir rapidamente pra geracao Z.

    Parabens mais uma vez… vou refletir bastante sobre isso.

    Um grande abraco Flavio

  4. Roberto Kaminski diz:

    Concordo com a tua reflexão. Infelizmente não são raras as pessoas que não percebem o quanto o capital humano deve ser estimulado. A visão mecanicista ainda é uma realidade em nossas empresas e a gestão do conhecimento longe de alcançada.

    Parabéns!

  5. Roger Oliveira diz:

    O texto é provocativo. A maioria das pessoas busca enxergar este conflito a partir do próprio umbigo.
    Acho que a arte em equilibrar a diversidade de gerações (como todas as outras diversidades) separará as organizações no futuro. Me parece inconcebível um mundo feito só “comando-controle” a la Baby Boomers e geração X, da mesma maneira que não acredito num mundo puramente “Velocista-criativo-sem profundidade” da geração Z. O equilíbrio dará o tom.

  6. Bianca diz:

    Tive o prazer de receber este link de uma pessoa muito especial, permitindo-me refletir sobre variados aspectos, porém é válido expor em contrapartida que precisamos ser cautelosos: não abusar do eufemismo! desligamento é a demissão, gestor é o superior imediato, todavia “sobrecarregado” tornou-se “multidisciplinar”. Precisamos sim, estar preparados para os desafios mas aceitá-los estrategicamente. Parabéns pelo texto, muito rico!

    OFF: Dionatan, obrigada!

  7. Moisés Simões diz:

    Interessante a abordagem do texto. Penso que o choque entre as gerações Y e Z será tão grande quanto da X para Y. Provavelmente os frutos dessa mudança se darão de forma pouco planejada e nada previsível, formando novos conceitos de gestão e crescimento empresarial.

  8. [...] As gerações que vem por aí … – Flavio Steffens (agileway); [...]

Comentar